Destino de distribuidora de energia do Pará está nas mãos de credores

A recuperação financeira e a sobrevivência da distribuidora de energia paraense Celpa está nas mãos de credores da companhia, avaliam especialistas. As principais dívidas da empresa, que é controlada pelo Grupo Rede Energia e encontra-se em processo de recuperação judicial, são com a Eletrobras, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e outras instituições financeiras, como o Bradesco e o Banco do Brasil.

A Justiça do Estado do Pará publicou edital, em 8 de março, convocando todos os credores da empresa a apresentarem em 15 dias a declaração do crédito que lhes é devido pela Celpa. Segundo o documento, a Eletrobras teria pelo menos 600 milhões de reais a receber da empresa paraense, considerando também as dívidas das subsidiárias. A Celpa tem ainda uma dívida de cerca de 1 bilhão de reais com bancos.

O maior credor entre instituições financeiras é o BNDES, com 235,3 milhões de reais. Outros 141,5 milhões de reais são com o Bradesco, 123,9 milhões de reais com o Banco da Amazônia, 87,1 milhões de reais com o Itaú BBA (banco de atacado do Itaú Unibanco) e 76,1 milhões de reais com o Banco do Brasil. Investidores representados pelo Bank of New York Mellon também teriam 443,6 milhões de reais a receber.

Os valores foram apresentados pela Celpa e ainda podem mudar, de acordo com a contestação dos credores.

Falência – Para um executivo do setor elétrico, será inevitável que os credores abram mão do pagamento de parcela das dívidas, já que um caso extremo de falência provavelmente implicaria na perda de todo o valor do principal emprestado à companhia. "A tendência é (intervenção do) governo e participação da Eletrobras", diz a fonte, que falou sob condição de anonimato.

"Pode ser uma solução como a da Cemar", disse, referindo-se à distribuidora de energia do Maranhão. Privatizada em 2000, a Cemar passou por problemas financeiros até a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decretar intervenção em 2002. A própria agência coordenou o processo de alienação da empresa, que atualmente é controlada pela Equatorial Energia.

0 comentários:

Postar um comentário

Blogger Template Mais Template - Author: Papo De Garota