Lembranças - Esta é a carta que minha avó escreveu quando eu fazia mestrado em São Paulo em 1988

Clique nas imagens para ampliar



Sefa retém equipamentos e veículos do Consórcio Construtor de Belo Monte

A Coordenação de Mercadorias em Trânsito do Itinga, unidade da Secretaria da Fazenda do Pará (Sefa) localizada em Dom Eliseu, fronteira com o Maranhão, já reteve quatro carretas vindas de Minas Gerais, com um total de 29 veículos destinados ao Consórcio Construtor de Belo Monte. Além disso, a Unidade da Sefa no Aeroporto de Belém reteve materiais diversos, entre eles 250 computadores destinados a obra localizada no Rio Xingu.

O secretário da Fazenda, José Tostes Neto, apresentou nesta quinta-feira, 29, um balanço e informou que as apreensões alcançam R$ 1,9 milhão em mercadorias, sendo que o valor dos autos de apreensão lavrados é de R$ 786.344,98; o imposto devido é de R$ 261.869,50; as multas alcançam R$ 524.475,48 e os valores já pagos para liberação dos produtos, até o momento, somam R$ 50.957,22.

Além de veículos e computadores, foram retidas ferramentas, óleo lubrificante, maca hospitalar, cabide, peneiras, catracas, barras de ferro, luvas descartáveis, toner, tinta para impressora e outros produtos, como sacos para lixo.

Um levantamento feito pela Sefa mostra que a cada 100 reais de compras realizadas pelo Consórcio Construtor de Belo Monte (CCBM) entre junho e dezembro deste ano, 72% foram feitas fora do Estado. A cada compra feita fora do estado, o Pará perde entre 10 e 12% do valor total dos bens adquiridos.

Tostes reafirmou a decisão do governo em intensificar a fiscalização sobre o Consórcio e desta forma garantir o recolhimento dos impostos devidos ao Estado. Segundo ele, o levantamento mostra que o Consórcio tem uma política destinada a privilegiar os fornecedores de seus estados de origem, em detrimento das empresas locais.

“O Estado não concorda e vai tomar todas as medidas necessárias para exigir a mudança desta política”, afirmou o secretário. Ele disse que a obra de Belo Monte é importante para o país, mas o Pará não receberá Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte interestadual, Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) sobre a energia gerada pela hidrelétrica, pois a incidência do imposto é no destino, não na origem. Então, é muito importante garantir que o Estado receba compensação pelo uso das suas riquezas, e tenha os recursos necessários para os investimentos que precisarão ser feitos, porque a obra já está provocando muitas mudanças na área do entorno da hidrelétrica.
As apreensões começaram na segunda-feira, dia 26/12. Nesta quinta-feira, 29, houve a apreensão de 150 computadores vindos de São Paulo pela Coordenação de Portos e Aeroportos.

Compromisso

O Consórcio Belo Monte comprometeu-se, este ano, com o Legislativo e o Executivo do Pará, a realizar a maior parte das compras no Estado. Mas em novembro comunicou à Secretaria da Fazenda que adquiriu 118 caminhões em São Paulo, quebrando o compromisso estabelecido. O secretário disse que o levantamento das compras realizadas pelo CCBM demonstra que o episódio da compra dos caminhões não foi um ato isolado, mas mostrou a intenção da empresa em privilegiar fornecedores de outros estados.

A Sefa tomou duas medidas, por decisão do Governador Simão Jatene. A primeira delas foi voltar atrás na concessão do incentivo que previa a redução da carga tributária em compra de caminhões, que reduziu a alíquota de 17% para 10%, ato formalizado através do decreto 302, publicado esta semana. A segunda é a exigência do pagamento imediato do ICMS na entrada das mercadorias no Pará, destinadas a Belo Monte. O não recolhimento leva a retenção dos produtos. O Consórcio manifestou-se alegando equivoco na compra dos caminhões em SP, e ficou de estudar medidas de compensação, mas até o momento não apresentou nenhuma proposta, informou Tostes.

Participaram da entrevista o secretário adjunto de receitas, Nilo Rendeiro de Noronha, o diretor de fiscalização, Célio Cal Monteiro, e o coordenador de fiscalização de mercadorias em trânsito, Antônio Asbeg.

Texto:
Ana Márcia Pantoja-Sefa

Ademir Andrade (PSB) deve voltar a câmara federal. Giovanni Queiroz deve ser Ministro do Trabalho

No mês de Janeiro, a presidente Dilma deverá fazer a primeira reforma ministerial de seu governo, entre as mudanças, o PDT deve assumir o Ministério do Trabalho, o mais cotado é o deputado federal Giovanni Queiroz (PDT), que nas eleições de 2010 foi eleito na coligação PDT, PRB, PSB, PV e PCdoB.  Se Giovanni Queiroz assumir o MT, como tudo indica, o atual vereador de Belém - Ademir Andrade (PSB) assume a cadeira de federal deixada e o PT ganha a vaga de vereador de Belém, com a Milena Launde.

Horário de funcionamento da Estação no Réveillon

O Réveillon na Estação das Docas promete agitar a cidade. Confira abaixo os horários de funcionamento da Estação das Docas neste final de ano:
31/12 (Sábado) – Abre 10h e fecha as 16h apenas lojas e lanchonetes e reabre às 21h para a Festa de réveillon
01/01 (Domingo) – Não abre
02/01 (Segunda) – Funciona normalmente a partir das 9h a 0h
OBS: A OS Pará 2000 informa que no sábado, dia 31, os restaurantes não abrirão durante o dia. Somente a noite para a festa de réveillon.

E-mail: redacao@agenciapara.com.br

Posse do senador Jader Barbalho


Fotos do Facebook

Posse do senador Jader Barbalho

O peemedebista Jader Barbalho tomou posse como um dos senadores pelo Pará na tarde desta quarta-feira (28). Barrado pela Lei da Ficha Limpa, ele assume o mandato no lugar de Marinor Brito (Psol-PA), que respondeu pelo cargo por 11 meses. Segundo colocado nas eleições do ano passado, com 1.799.762 votos, Jader teve o registro indeferido por conta da renúncia ao mandato de senador, em 2001, para escapar de um processo de cassação.

A cerimônia de posse, realizada no recesso parlamentar, foi conduzida pela primeira vice-presidenta do Senado, Marta Suplicy (PT-SP). Compareceram oito senadores. Entre eles, mais votado nas eleições de 2010 no Pará, Flexa Ribeiro (PSDB), o líder do governo na Casa, Romero Jucá (RR), e o vice-líder do governo, Gim Argello (PTB-DF). Da Mesa Diretora também estavam presentes o segundo vice-presidente, Waldemir Moka (PMDB-MS), o primeiro-secretário do Senado, Cícero Lucena (PSDB-PB), e o terceiro-secretário, João Vicente Claudino (PTB-PI).

Com base nas novas regras de inelegibilidade, Jader teve o registro de candidatura indeferido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A decisão depois foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Com um empate em cinco votos, os ministros da mais alta corte do país usaram um critério de desempate para manter a postura da corte eleitoral.

Porém, com a entrada de Luiz Fux e a posição majoritária pela aplicação da ficha limpa somente em 2012, o Supremo teve que rever sua determinação de manter o registro de Jader indeferido. A decisão veio no mês passado, após reviravolta protagonizada pelo presidente do STF, Cezar Peluso, em favor do parlamentar.

Na mesma semana, Jader foi diplomado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA). Na véspera do anúncio do STF, líderes peemedebistas intercederam pessoalmente junto ao ministro, em visita coletiva ao Supremo. Aos 67 anos, Jader Barbalho já foi deputado estadual e por duas vezes deputado federal, além de ter comandado o governo do Estado do Pará por duas vezes também.

Do site do Congresso em Foco

O senador Jader Barbalho já chegou ao Senado Federal - DOL

O senador Jader Barbalho toma posse hoje (28), às 15h (horário de Brasília, portanto às 14h no horário de Belém), no gabinete da presidência do Senado Federal. A Mesa Diretora da casa vai se reunir, em caráter excepcional, para dar posse ao senador. A cerimônia será acompanhada por senadores do PMDB, colegas da bancada paraense e familiares.

Jader Barbalho chegou ao local por volta das 13h50 (horário de Belém), acompanhado pelos filhos Daniel e Giovanna, e dirigiu-se à sala do senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele vai permanecer na sala até a chegada dos demais senadores.

A cerimônia deverá ser conduzida pela senadora Marta Suplicy (PT-SP). Pelo menos quatro senadores têm que estar presentes para dar validade ao ato. O senador Gim Argello (PTB-DF) confirmou presença.

MANDATO

“Perdi um ano desta legislatura no Senado, mas tenho sete para fazer deste o meu melhor mandato”, declarou Jader, em sua mensagem para os paraenses. “O meu compromisso é público – vou brigar por cada tostão das verbas federais que são devidas ao meu Pará”, destacou o senador.

Jader Barbalho tem uma trajetória política de mais de 45 anos de trabalho pelo Estado. Iniciou a carreira política como vereador em Belém. Desde então foi deputado estadual, quatro vezes deputado federal, ministro do governo José Sarney no final da década de 80 e governador do Pará por duas vezes. Foi eleito para o Senado pela primeira vez em 1995.

Na eleição de 2010, foi o segundo mais votado no Estado, com 1,8 milhão de votos, mas não pôde assumir o mandato por imposição do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que analisou que a Lei da Ficha Limpa já estaria valendo para 2010. A lei, contudo, acabou sendo declarada inaplicável ao pleito de outubro de 2010, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em março deste ano, por seis votos a cinco. Os candidatos que haviam sido barrados, então, entraram com recursos para assumir os cargos para os quais concorreram.

(DOL, com informações do Diário do Pará)

O PT do Pará e o futuro

O PT estadual, até agora está com uma perspectiva muito aquém as suas pretensão, vejamos:

  1. É muito improvável a reeleição do candidato do PT em Santarém, se formos olhar o resultado da eleições de 2010, o candidato mais forte é Alexandre Von (PSDB). 
  2. O PT não tem nenhuma possibilidade de ganhar as prefeituras de Ananindeua, Castanhal, Capanema, Paragominas, Tucuruí, Marabá, Redenção, Breves, Altamira, Oriximiná, todas cidades pólos. A pesquisas feitas nestes municípios não indicam o mais leve favorecimento do PT.
  3. Na cidade de Conceição do Araguaia, onde o PT detém o comando da prefeitura, as pesquisas indicam o favoritismo do candidato do PMDB.
  4. Em Parauapebas, cujo o PT administra a divisão  interna do partido e o resultado das eleições de 2010, favorecem as candidaturas de Walmir da Integral (PSD) e Bel Mesquita (PMDB)
  5. Em Bragança o PT só tem alguma possibilidade se compor com PP de Gerson Peres. O PP já negocia com o governador Simão Jatene.
  6. De todas as pesquisas que eu vi, as únicas cidades em que o PT aparece como favorito e Cametá, Juriti e Abaetetuba, sendo que em Abaetetuba terá que concorrer com uma candidatura muito forte do ex-senador José Nery do PSOL. Em Juruti a administração e petista, uma vitória dependerá de uma coligação com o PTB ou PMDB.
  7. Belém, a candidatura do PT é improvável que vá para o segundo turno, não foi com o governo do estado na mão, em 2012 o PT deverá concorrer com uma aliança pequena, aliás não fechou com nenhum partido até agora, mas terá candidatura própria por uma questão de sobrevivência politica, lembrem que em 2010 Dilma perdeu em Belém, o governo de Ana Júlia puxou todos para baixo.
  8. O julgamento do mensalão, previsto para ocorrer no mês de junho no STF, coloca o PT de novo no foco da mídia e para o ex-candidato ao senado Paulo Rocha as pespectivas não são boas. No meu entendimento o PT precisa reciclar suas lideranças. Não vejo a possibilidade da volta de Paulo Rocha como um liderança estadual.
O Partido deve ganhar pequenas cidades, não muitas, fara menos prefeituras que em 2008 e precisa se renovar. Quem viver verá.

Sobre a posse de Jader Barbalho e o futuro

A volta de Jader ao senado muda o que na politica Paraense ?
  • Em Belém, a candidatura de José Priante toma um novo fôlego com o apoio de um senador.
  • A bancada de oposição ao governo Dilma perde uma senadora (Marinor).
  • Jader entra no jogo político das  negociações para a nova composição ministerial.
  • Ele ainda negociará com mais força a composição estadual, anunciada pelo governador Jatene
  • O PMDB terá candidatos em um grande número de prefeituras (Belém - Priante, Ananindeua -Chicão, Marabá - Ítalo Ipojucan, Mojú - Edilson, presidente do PMDB no município,Santarém - Antônio Rocha, Castanhal - Paulo Titan, Parauapebas - Abel, Cametá - Benedito Pompeu, Bragança - Américo Sarmento, Tucuruí - Gualberto ou Cláudio Furman, Altamira - Juvenil, Barcarena - Lourival Cunha,  Marituba - Elivan Cunha, Capanema  - Chico Neto), Itaituba - reeleição do atual prefeito e Rondon do Pará, onde disputará com o PSDB.
  • O PMDB no Pará reforçar seus projetos para 2014. O PMDB poderá lançar candidato, ser vice de Jatene e indicar  o senador ou ainda compor com PT tendo a candidatura ao senado.
Uma coisa é certa, a volta do senador Jader Barbalho fortalece os projetos do PMDB no estado. Como senador, Jader Barbalho deve puxar os debates sobre a Lei Kandir, o aumento dos percentuais dos CFEM pagos pela Vale, que hoje é uma das menores taxas do mundo, a proposta do governo e que fique em 5% do bruto, o que a Vale discordar. Outra pauta muito importante e que os Royalties do petróleo seja distribuído para todos os estados. Jader tem que ser um opositor ferrenho a cobrança de ICMS no estado consumidor, em relação a energia. Precisamos de uma reformar nesta cobrança, toda a energia gerada por Tucuruí no Pará, o estado nada recebe de ICMS, e se deixarmos vai ser assim com Belo Monte.

Outra pauta que interessa ao Pará e a Lei Kandir, hoje o Pará perder com a desoneração das exportações de minérios de  ferro por exemplo. Esta Lei precisa ser alterada, foi criada no governo FHC e mantida intocada no governo Lula e agora no governo Dilma, as compensações devidas ao Pará até hoje não foram pagas pela União. 

No plebiscito, o governador Jatene se defendeu, mostrando que entro no STF como uma ação contra a Lei Kandir, isto é muito pouco, é necessário uma ação politica forte, principalmente no senado, para modificara Lei Kandir  

STF mantém posse de Jader Barbalho no Senado nesta quarta-feira

O Supremo Tribunal Federal (STF) negou o mandado impetrado pela senadora Marinor Brito (PSOL-PA) e decidiu manter a posse de Jader Barbalho, marcada para às 15h desta quarta-feira, no Senado. Ele foi beneficiado pela interpretação dada pelo STF à Lei da Ficha Limpa e assume um mandato de sete anos e um mês.

O vice-presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto, que está no exercício da presidência, explicou que a posse de Jader durante o recesso parlamentar constitui "hipótese expressamente prevista" no Parágrafo 4º do Artigo 4º do Regimento Interno do Senado Federal".

A senadora alegou no mandado de segurança que a Constituição Federal prevê que o Congresso Nacional só pode se reunir durante o recesso legislativo se houver convocação extraordinária ou, em caso de prorrogação da sessão legislativa. Ela também sustentou a tese de "abuso de direito", por parte do presidente da Mesa Diretora, José Sarney (PMDB-AP), ao avisar, por meio de ofício, a reunião para a posse.

Ela assumiu a vaga de segunda senadora eleita do Pará em 2010 após ter os registros do segundo e do terceiro candidatos mais votados, Barbalho e Paulo Rocha, respectivamente, terem sido negados de acordo com a Lei da Ficha Limpa. Porém, com a anulação dos efeitos da lei, eles se tornaram novamente elegíveis.

http://www.sidneyrezende.com

Ananindeua completa 68 anos

A próxima terça-feira (03) será marcada pelos 68 anos de emancipação de Ananindeua. A programação de aniversário inicia pela manhã, quando serão entregues os 330 apartamentos do Conjunto Jader Barbalho. A obra foi muito esperada pelas 1500 pessoas que antes viviam em áreas alagadas e que serão beneficiadas pelo habitacional, construído no Jaderlândia com recursos do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC).

Às 19 horas, será promovida a Missa em Ação de Graças, na Paróquia de Santa Paula Frassinette, na Cidade Nova VI. À noite, a população comemora os 68 anos com diversas atrações regionais e com o show do cantor Alexandre Pires. A partir das 20 horas, ele leva sucessos antigos e seu novo repertório à Avenida Dom Vicente Zico (antiga Arterial 18).

Durante o mês, as comemorações continuam com diversas entregas. Ruas em cinco bairros receberam infraestrutura completa, com pavimentação e sinalização: WE 11, no Coqueiro; 12 ruas da comunidade Elo Perdido, no Distrito Industrial; Rua Tapajós, no Jaderlândia; Rua Santa Maria, no Atalaia; e ruas Acapu, Cedro e São Pedro, no Centro.

Serão inaugurados também a Escola Municipal de Ensino Fundamental Nelson Pereira Dias, no 40 Horas; duas unidades de saúde nos bairros Pedreirinha e Icuí; a Central de Monitoramento, que faz a vigilância de 25 pontos da cidade; e o segundo parque ambiental do município, o Parque do Seringal, localizado na Cidade Nova VII.


--
Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Ananindeua

Belo Monte: Consórcio diz que compra em SP foi um equívoco

O Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) esclarece, através de nota enviada à imprensa, sobre o faturamento de 118 caminhões Mercedes-Benz adquiridos diretamente em São Paulo, em discordância a acordo firmado com a Secretaria de Estado da Fazenda do Pará. Segundo o CCBM, o "faturamento foi efetuado única e exclusivamente por iniciativa da Mercedes-Benz, que comunicou o fato ao CCBM somente em 15/12, alegando motivos técnicos operacionais".
Ainda segundo a CCBM, o Consórcio estuda alternativas para reparar as consequências desta ação equivocada, com apoio da Mercedes-Benz. "Reiteramos o compromisso firmado com o Governo do Pará e parlamentares, no sentido de privilegiar fornecedores de bens e serviços com base no Estado, assim como a contratação de mão de obra local", diz a nota.
A nota é uma resposta à decisão do governo do Pará de barrar a entrada dos caminhões no Estado, após reunião conjunta com deputados da Assembleia Legislativa. (DOL, com informações da Ascom CCBM)

Diario do Pará

MPF/PA: condicionantes para autorizar Belo Monte não foram cumpridas

Procuradores vão analisar Licença emitida hoje pelo Ibama, mas em vistoria de dezembro já constataram que a região não foi preparada para os impactos da obra

O Ministério Público Federal ainda não teve acesso ao documento integral em que o Ibama autorizou, hoje, o início das obras da hidrelétrica de Belo Monte. A hipótese de uma nova ação judicial, no entanto, não está descartada, já que os procuradores que acompanham o caso haviam recomendado expressamente ao Ibama para evitar fragmentação das licenças na tentativa de apressar o licenciamento.

A recomendação, emitida em novembro do ano passado, dizia ao então presidente do Instituto para se abster de “emitir qualquer licença, em especial a de Instalação, prévia ou definitiva, do empreendimento denominado AHE Belo Monte, enquanto as questões relativas às condicionantes da Licença Prévia 342/2010 não forem definitivamente resolvidas de acordo com o previsto”.

Após a recomendação, em dezembro, técnicos do MPF foram até o local onde deve ser construído o canteiro de obras e constataram que as condicionantes exigidas pela Licença Prévia não foram cumpridas. “Até agora, a maioria das condicionantes encontra-se, se não no marco zero, muito aquém do previsto”, disseram os procuradores.

“Precisamos ainda avaliar o teor dessa permissão. Mas é fato que, ao conceder licença para a instalação física da obra sem o cumprimento das condicionantes o Ibama está colocando a região em alto risco social e ambiental. Não houve nenhuma preparação estrutural para receber operários e máquinas e, muito menos, para a população que será atraída pelo empreendimento, sem chance de ser aproveitadas na obra, direta ou indiretamente. Estamos muito preocupados com o que pode acontecer”, declarou hoje o procurador da República no Pará Ubiratan Cazetta ao saber da concessão da licença.

Existem estimativas extra-oficiais de que o simples anúncio da obra em 2010 já atraiu cerca de 8 mil pessoas em busca de emprego para a cidade de Altamira, a maior da região. A atração populacional pode causar um colapso nos já precários sistemas de abastecimento, saneamento, saúde e educação.

É para evitar esse tipo de colapso que a legislação brasileira determina rigor no rito de licenciamento ambiental: o empreendimento só é considerado viável se cumprir uma série de condições e só após o cumprimento dessas condições é concedida a permissão de instalação. No caso de Belo Monte, são 40 condicionantes impostas pelo próprio Ibama para que projeto tenha viabilidade social e ambiental.

Ministério Público Federal no Pará
Assessoria de Comunicação

Consorcio Belo Monte e empresa Norte Energia precisam de linha dura do governo do estado

Recentemente tivemos um plebiscito onde o "orgulho de ser paraense" foi referendado pela população, mais ainda, a não a divisão foi referendado pelos  moradores de Altamira e de Vitória do Xingu. Acredito que agora o governo do estado deve agora, dar uma resposta a este moradores que confiaram na gestão central e mostrar que no caso Belo Monte, o Pará tem sim "governo atuante e forte", mostrar que as empresas que vieram construir a hidrelétrica, NÃO SERÃO COMO TANTAS OUTRAS, QUE EXPLORAM O ESTADO E VÃO EMBORA DEIXANDO A POBREZA.

Só neste mês o Consorcio Belo Monte e a Norte Energia tiveram três notícias negativas vinculadas ao seu nome: Consórcio compra caminhões fora do Pará (quebrando acordo com o governo do estado), Consórcio construtor de Belo Monte demite 80 funcionários ( as demissões foram motivadas pela greve ocorridas no canteiro, o consórcio deu uma desculpada esfarrapadíssima "as demissões fazem parte de um movimento normal em um universo de 5 mil operários que atualmente trabalham na construção de Belo Monte" a terceira notícia refere-se Jornalista sofre ameaças de morte em Belo Monte.

É muita notícia negativa em apenas um mês. A verdade é que o Consorcio Belo Monte e a Norte Energia estão tratando o Pará como terra de ninguém, onde eles podem chegar e fazer o que bem entender.

O governo do estado vai ter que endurecer bem mais se quiser que estas "emprezinhas" deixem de achar que podem chegar no nosso grande Colosso e fazer o que quiser.

'Lula, o Filho do Brasil' ganha data de estreia nos EUA

Lula, o Filho do Brasil', filme brasileiro escolhido para tentar uma uma vaga na categoria Melhor Filme Estrangeiro de 2011, tem data para ser lançado nos EUA.

A estreia, limitada, acontece dia 12 de janeiro de 2012, em duas salas de cinema em Nova York.

Caso seja sucesso, o circuito ganhará mais cópias dia 27 de Janeiro.

Após Nova York, a estreia será ampliada para Boston, Chicago, Los Angeles, Filadélfia, São Francisco, Seattle e Washington exibirão a produção.

As legendas com informações sobre a vida posterior de Lula e as fotos que aparecerem junto aos créditos serão trocadas por dados e imagens mais recentes. Em vez das fotos no Nordeste, serão adicionadas fotos do presidente com Barack Obama e com a rainha Elizabeth II.

'Lula, o Filho do Brasil' percorre os principais pontos da trajetória humana de Lula, do árido sertão pernambucano, onde nasceu, à periferia de Santos, onde cresceu, e por fábricas e sindicatos do ABC paulista, onde viveu intensas transformações pessoais (como a perda da primeira mulher e do filho), e profissionais (como o emocionante discurso no estádio lotado da Vila Euclides, realizado sem sistema de som, quando 80 mil operários repetiram suas palavras para que todos pudessem ouvi-las).


http://www.cinepop.com.br/noticias2/lula_112.htm

Guardian aponta Brasil como sexta economia do mundo

O Brasil superou o Reino Unido e ocupa agora o posto de sexta maior economia do mundo, reportou o jornal britânico The Guardian, citando uma equipe de economistas. A crise bancária de 2008 e a subsequente recessão deixou o Reino Unido no sétimo lugar em 2011, atrás da maior economia da América do Sul, que cresceu rapidamente no rastro das exportações para a China e Extremo Oriente.

"O Brasil tem batido os países europeus no futebol por um longo tempo, mas batê-los em economia é um fenômeno novo. Nossa tabela de classificação econômica mundial mostra como o mapa econômico está mudando, com os países asiáticos e as economias produtoras de commodities subindo para a liga, enquanto nós, na Europa, recuamos", afirmou o chefe-executivo do Centro de Pesquisa para Economia e Negócios (CEBR, em inglês) do Reino Unido, Douglas McWilliams, segundo o jornal.

O CEBR prevê que a Rússia e a Índia deverão se beneficiar de um aumento do crescimento durante os próximos 10 anos, levando a economia do Reino Unido a cair para a oitava posição. O órgão também estima que a economia francesa recuará num ritmo ainda mais rápido que a do Reino Unido, ficando com o nono lugar entre as maiores economias do mundo. Segundo o órgão, a Alemanha também declinará para a sétima colocação em 2020.

A União Europeia continuará a ser o maior bloco comercial coletivo do mundo, embora uma recessão deva atingir o crescimento mundial no próximo ano, prevê o CEBR. Segundo o The Guardian, previsões recentes do centro apontam que o crescimento mundial recuará para 2,5% em 2012, uma revisão em baixa da previsão feita em setembro. O centro alertou, no entanto, que em um cenário envolvendo "a saída de um ou mais países da zona do euro, defaults soberanos e falência e resgate de bancos poderá provocar uma desaceleração ainda maior do crescimento da economia mundial em 2012, para 1,1%.

Já as economias emergentes, que viram seus mercados acionários despencarem nos últimos meses, à medida que os investidores avaliavam as consequências da crise do euro, vão recuperar a sua dinâmica, projeta o CEBR. Segundo o centro, a economia brasileira deverá crescer 2,5% em 2012, após avançar 2,8% neste ano. A China terá expansão de 7,6%, a Índia, de 6%, e a Rússia, de 2,8%.

http://www.dgabc.com.br/News/5933713/guardian-aponta-brasil-como-sexta-economia-do-mundo.aspx

Jornais: governo Dilma enfrenta a menor oposição desde 1988

FOLHA DE S.PAULO

Governo Dilma enfrenta a menor oposição desde 1988

A presidente Dilma Rousseff (PT) chega ao final de seu primeiro ano no poder com a menor oposição na Câmara desde a Constituição de 1988. Os quatro partidos que hoje se opõem sistematicamente ao governo – PSDB, DEM, PPS e PSOL – somam hoje 91 cadeiras, o equivalente a 17,5% da Casa. O percentual representa quase a metade da oposição que Lula enfrentou após sua reeleição (30,5%). Herdeira da coalizão formada por Lula, Dilma se beneficiou da popularidade do ex-presidente, que ajudou a eleger um grande número de deputados federais aliados.

Em 2010, PSDB, DEM e PPS elegeram juntos 109 deputados. Quatro anos antes, quando Lula foi reeleito, foram 153. O PSOL teve três deputados em ambos os períodos. O cenário se repete no Senado, onde Lula teve dificuldades. Foi lá que o governo perdeu a votação que extinguiu a CPMF, deixando de arrecadar R$ 40 bilhões ao ano.

Durante a campanha de Dilma, o ex-presidente enfatizou a importância de aumentar a maioria no Senado. A estratégia deu certo. Hoje os quatro partidos oposicionistas têm 17 senadores, número que era 50% maior no segundo governo Lula.

Para piorar a vida da oposição, a criação do PSD neste ano desidratou o DEM. Em fevereiro, o partido somava 43 deputados. Hoje tem 27. Segundo o Banco de Dados Legislativos do Cebrap, um centro de estudos, o PSD, embora não faça parte da coalizão de Dilma, atua na Câmara como seu aliado e sempre vota a favor do governo.

DEM aposta em eleição nas capitais para recuperar força política em 2012

Nos últimos dois anos o DEM perdeu suas duas maiores estrelas: José Roberto Arruda caiu do governo do Distrito Federal acusado de corrupção e o prefeito Gilberto Kassab abandonou a sigla para criar o próprio partido. Ao sair, o prefeito arrastou consigo um de cada cinco deputados federais da oposição e promoveu baixas consideráveis nas bancadas de vereadores e prefeitos do DEM.

Mesmo desidratada, a legenda ainda tem direito a uma fatia expressiva do tempo reservado para a propaganda dos partidos na TV e acha que pode se recuperar nas próximas duas eleições. No ano que vem, mira as capitais e os municípios com mais de 200 mil habitantes para remontar a base. Acredita ter candidatos competitivos em cidades como Aracaju, Fortaleza e Campo Grande e tenta viabilizar aliança para lançar o deputado ACM Neto em Salvador.

De resto, trabalhará para fazer coligações. Em São Paulo, por exemplo, mantém conversas com o PMDB e o PSDB e espera, numa conta otimista, chegar a cinco vereadores – tinha sete, mas perdeu quatro para o PSD de Kassab. Em 2014, o partido pretende relançar líderes históricos para a Câmara. O ex-vice-presidente Marco Maciel (PE) e o ex-senador Heráclito Fortes (PI), por exemplo, concorreriam a deputado federal.

Congresso em Foco

Papai Noel, um ícone cultural nascido no século IV

O simpático velhinho de roupa vermelha e barba branca, que vemos nestes dias com destaque em centros comerciais de todo o mundo, tornou-se um ícone cultural da sociedade de consumo do terceiro milênio.

Apesar de ter se inspirado em um bispo que viveu no século IV da nossa era, o sorridente personagem que encanta as crianças foi construído nos últimos 17 séculos com elementos de mitos de diversas regiões e países.

O personagem original foi bispo da cidade de Mira, no antigo reino de Lícia - na atual Turquia - de nome Nicolau, célebre pela generosidade com crianças e pobres, mas que, mesmo assim, foi perseguido e preso pelo imperador Diocleciano.

Com a chegada de Constantino ao trono de Bizâncio, o bispo Nicolau foi libertado e pôde participar do Concílio de Nicéia (325). Após a sua morte, foi canonizado pela Igreja Católica como São Nicolau. Surgiram, então, incontáveis histórias de milagres realizados pelo santo em benefício de pobres e desamparados.

Nos primeiros séculos após sua morte, São Nicolau tornou-se padroeiro da Rússia e Grécia, bem como de inúmeras sociedades beneficentes e das crianças, jovens solteiras, marinheiros, mercadores e prestamistas.

A partir do século VI, foram erguidas várias igrejas dedicadas ao santo, mas essa tendência foi interrompida com a Reforma, quando o culto a São Nicolau desapareceu da Europa protestante, com exceção da Holanda, onde era chamado de Sinterklaas.

Na Holanda, a lenda do Sinterklaas fundiu-se a antigas histórias nórdicas sobre um mago mítico que andava em um trenó puxado por renas, premiava com presentes as crianças boas e castigava as que se comportavam mal. No século XI, mercadores italianos que passavam por Mira roubaram relíquias de São Nicolau e as levaram para Bari.

A partir daí, essa cidade italiana onde o santo jamais colocou os pés tornou-se um centro de devoção e peregrinação.

No século XVII, emigrantes holandeses levaram a tradição de Sinterklaas para os Estados Unidos, cujos habitantes adaptaram o nome para Santa Claus, mais fácil de ser pronunciado, e criaram uma nova lenda, consolidada no século XIX, sobre um velhinho alegre e bonachão que percorria o mundo em seu trenó no Natal, distribuindo presentes.

Enquanto nos Estados Unidos ele era conhecido como Santa Claus, do outro lado do Atlântico, no Reino Unido, chamava-se Father Christmas (Papai Noel). Com um nome ou outro, o certo é que o personagem baseado no bispo Nicolau tornou-se rapidamente o símbolo do Natal - estimulando as fantasias infantis - e, principalmente, ícone do comércio de presentes de Natal, que movimenta anualmente bilhões de dólares.

A tradição não demorou a cruzar novamente o Atlântico, dessa vez renovada, e se espalhar para vários países europeus, em alguns dos quais Santa Claus mudou de nome. Na França, o Father Christmas dos ingleses foi traduzido para Père Noël, na Espanha para Papá Noel e em Portugal para Pai Natal, espalhando-se rapidamente pela América Latina.

Dizem ainda que o visual moderno do Papai Noel (roupas vermelhas e gorro com barrete branco) teria sido uma invenção da Coca-Cola, que nos anos 30 promoveu uma campanha repaginando o Bom Velhinho com as cores oficiais de seu produto.

Boas Festas

Natal tem origem em tradições mais antigas que o próprio cristianismo

Mesas generosamente servidas, canções, árvore cheias de luzes e o alegre soar de sinos são algumas características da festa de Natal, uma celebração que não nasceu com o cristianismo, mas tem raízes em antiquíssimos ritos pagãos indo-europeus bem anteriores a Jesus Cristo.

A festa mais universal do Ocidente, a comemoração do nascimento do menino Jesus, foi celebrada pela primeira vez, com o sentido de hoje, em 25 de dezembro de 336, em Roma, poucos anos depois de o cristianismo ser adotado como religião do Império.

Contudo, na época, a capital imperial era Constantinopla, onde até o século V a Igreja do Oriente celebrou no dia 6 de janeiro o nascimento e batismo do Filho de Deus.

O nome da festa vem do substantivo latino 'nativitas' (nascimento, geração) e este do adjetivo "nativus" (o que nasce).

Ao longo dos séculos, as dioceses orientais foram adotando o dia 25 de dezembro como data oficial e deixando o 6 de janeiro para celebrar o batismo de Cristo, com exceção da Igreja Armênia, que até hoje comemora o Natal no primeiro mês do ano.

Sobre as razões para adotar o dia 25 de dezembro como data do Natal, pouco se sabe, mas considera-se provável que os cristãos quisessem na época substituir com o nascimento de Cristo a festa pagã conhecida como "natalis solis invicti" (festa do nascimento do Sol Vitorioso), que correspondia ao solstício de inverno no Hemisfério Norte.

Esta efeméride astronômica coincide com o dia mais curto do ano ao norte do Equador, por volta de 21 de dezembro, início do aumento da duração dos dias e do encurtamento das noites, ou seja, a época em que o Sol passa pela sua maior declinação boreal ou austral.

Uma vez que a Igreja Oriental adotou a data de 25 de dezembro como Natal, o batismo de Jesus Cristo começou a ser festejado no Oriente em 6 de janeiro, mas em Roma esta data passou a ser usada para lembrar chegada a Belém dos Reis Magos, com presentes de ouro, incensos e mirra, que em alguns países católicos é celebrada com a distribuição de presentes para as crianças.

No Brasil, a tradição de trocar presentes acontece na noite de Natal após a meia-noite da madrugada de 24 para 25 de dezembro. Ao longo dos séculos, os costumes tradicionais vinculados ao Natal se desenvolveram a partir de múltiplas fontes.

Há uma considerável influência nestas tradições o fato de a celebração coincidir com as datas de antiquíssimos ritos pagãos com origem agrícola, que aconteciam no começo do inverno.

Sendo assim, o Natal recebeu elementos da tradição latina de Saturnália, uma festa alegre e de trocas de presentes, que os romanos costumavam celebrar em 17 de dezembro, em homenagem a Saturno.

O dia 25 de dezembro também era a festa do Deus persa da luz, Mitra, respeitado por Diocleciano e que inspirou gregos e romanos a adorar Febo e Apolo.

O certo é que o dia de Natal foi fixado oficialmente no ano de 345 quando - às instâncias de São João Crisóstomo e São Gregório Nacianceno - se estabeleceu o 25 de dezembro como dada de nascimento de Jesus Cristo.

Cumpria-se assim uma vez mais o costume da Igreja primitiva de absorver e dar nova forma aos rituais pagãos, em vez de rejeitá-los ou proibi-los para poder angariar mais seguidores para sua nova crença.

No Ano Novo, os romanos decoravam suas casas com luzes e folhas de plantas, dando presentes às crianças e aos pobres, em um clima que hoje seria chamado de natalino e, apesar do ano romano começar em março, estas tradições também foram incorporadas à festividade cristã.

Por outro lado, com a chegada dos invasores teutônicos à Gália, à Inglaterra e à Europa Central, ritos germânicos se mesclaram com costumes celtas e foram adotados por parte dos cristãos, tornando o Natal praticamente desde o começo uma celebração regada a muita bebida e comida, com chamas, luzes e árvores decoradas.

Na Idade Média, a Igreja introduziu as canções temáticas. O Natal que celebramos hoje é, por isso, fruto de um milênio cristão em que as tradições gregas e romanas se conjugaram com rituais celtas, germânicos e com liturgias de antigas religiões orientais.

Posteriormente, o personagem de São Nicolau, velhinho barbudo e vestido de pesadas roupas vermelhas, inspirou a representação do atual Papai Noel, personagem generoso e adorado pelas crianças.

Atualmente, o Natal superou as fronteiras do mundo cristão e a sociedade de consumo, com sua avalanche de presentes e comidas diversas, fez que fosse esquecido parte de seu significado original, embora o ato de presentear sempre seja um gesto agradável independente das circunstâncias.

A árvore de Natal, uma tradição milenar de povos pagãos

Montevidéu - A tradição de celebrar o Natal ao redor de uma árvore carregada de enfeites e luzes multicoloridas é um costume de vários séculos entre os povos cristãos, mas sua origem não é em absoluto cristã: surgiu entre povos pagãos escandinavos e germânicos que, posteriormente, se converteram na Idade Média.

Mas o hábito de usar uma árvore de folhas duradouras como símbolo da fertilidade e vida eterna é muito anterior a estes povos, que o adotaram após a chegada na Europa de antiqüíssimos costumes orientais.

De qualquer forma, foram primeiro os germânicos e depois os escandinavos que criaram a tradição de celebrar o Ano Novo colocando uma árvore na porta de casa ou dentro dela, com a finalidade de afastar os demônios durante todo o ano.

A árvore de Natal tal como a conhecemos hoje é bastante posterior a estes antecedentes. Provém de uma tradição medieval da Alemanha cristã, que consistia em colocar em casa, no dia 24 de dezembro, uma árvore na qual se penduravam maçãs para remeter à árvore do paraíso, da qual Eva tirou o fruto proibido para oferecê-lo a Adão.

Este hábito de recordar o pecado original no Natal foi evoluindo ao longo das gerações até que, em determinado momento, surgiu o costume de pendurar nos galhos da árvore ao invés de frutas, biscoitos ou doces em formas diversas, representando a hóstia, símbolo cristão de redenção, e freqüentemente na noite de Natal eram penduradas velas acesas.

Até o século XVI, este antigo costume se fundiu com outra tradição secular dos camponeses alemães: o de manter em casa, durante os dias de Natal, uma pirâmide de madeira com estantes onde eram colocadas folhas duradouras, velas e, no topo, uma estrela.

No século XVIII, entre os luteranos alemães a árvore adotou a forma e os enfeites da pirâmide, mas foi só no século XIX que a árvore de Natal passou a ser considerada uma tradição já antiga e arraigada.

No entanto, quando isto ocorreu, o antigo costume já havia chegado aos Estados Unidos, levado por colonos alemães, antes mesmo de se espalhar pelo resto da Europa, numa época de grandes migrações estimuladas pela vigorosa expansão do capitalismo americano.

Finalmente, no início do século XX, missionários cristãos europeus levaram a tradição da árvore de Natal para a China, pondo fim a uma viagem milenar.

Marajó "a mais paraense de todas"

Comentário de internauta de nosso blog
Alan Lemos disse...
Na área equivalente ao projeto de Tapajós, não apenas Altamira e Vitória do Xingu disseram "não e não", mas também Porto de Moz e Senador José Porfírio. Os municípios que mais disseram "não", em percentual de votos válidos, foram Bagre, Santa Cruz do Arari e Curralinho - os três do Marajó. Analisando em cinco áreas (Carajás, Tapajós, Região Metropolitana, Nordeste Paraense e Marajó), a que relativamente mais votou contra a divisão foi também o arquipélago marajoara. Assim sendo, eu acho que a mesorregião merece o título de "a mais paraense de todas".

Plebiscito: Curiosidades da votação - quem foram os vencedores nos 20 maiores colégios eleitorais do Pará

Se pegarmos os vinte maiores colégios eleitorais do Pará, tivemos a vitória do Não em 14 municípios e 6 deles votaram pela separação do estado.

Nas tabelas a seguir, temos a seguinte ordem: Colégio eleitoral em ordem de número de eleitores, município, número de eleitores aptos a votar (outubro de 2011) e percentual de votos dentro do Pará

Municípios que votaram contra a separação

1
BELÉM 
996.146
20,598
2
ANANINDEUA 
262.016
5,418
5
CASTANHAL 
105.860
2,189
7
ABAETETUBA 
90.081
1,863
8
CAMETÁ 
74.221
1,535
9
BRAGANÇA 
71.547
1,479
12
ALTAMIRA
63.288
1,309
13
BARCARENA 
63.190
1,307
14
PARAGOMINAS 
60.842
1,258
15
MARITUBA 
58.142
1,202
17
BREVES
51.697
1,069
18
CAPANEMA 
42.806
0,885
19
IGARAPÉ-MIRI 
41.872
0,866
20
MOJU 
40.921
0,846

Municípios que votaram Sim 




3
SANTARÉM 
190.526
3,94
4
MARABÁ 
138.515
2,864
6
PARAUAPEBAS 
97.903
2,024
10
TUCURUÍ 
69.735
1,442
11
ITAITUBA 
65.892
1,363
16
REDENÇÃO 
54.732
1,132


Veja a lista completa nos links abaixo

Carajás

Tapajós

Plebiscito: resultado final por município

Uma curiosidade  sobre o processo de divisão do estado do Pará:

Altamira e Vitória do Xingu foram contra a divisão do estado:

Você é a favor da divisão do Estado do Pará para a criação do Estado do Carajás?

Altamira 

Não: 65.24%
Sim:  34.66%

Vitória do Xingu


Não: 68.73%
Sim:  31.27%


Você é a favor da divisão do Estado do Pará para a criação do Estado do Tapajós?


Altamira 

Não: 64.47%
Sim:  35.53%

Vitória do Xingu


Não: 68.31%
Sim:  31.69%

Veja a lista completa nos links abaixo

Carajás

Tapajós

Polícia Federal, Ibama e Incra coíbem extração ilegal de madeira em assentamento no Pará

Em operação conjunta com técnicos do Incra, realizada nesta quarta-feira, 21 /12, fiscais do Ibama e policiais federais apreenderam dois tratores, duas motosserras e um caminhão utilizados na extração ilegal de madeira (paricá) em lotes do Projeto de Assentamento (PA) Abril Vermelho, no município de Santa Barbara do Pará. Um assentado, que se envolveu em incidente com um servidor do Incra, foi detido e levado para o Departamento de Polícia Federal (DPF) em Belém para prestar depoimento, e depois liberado.

Na segunda-feira, 19, outra operação conjunta dos órgãos federais já tinha flagrado o ilícito ambiental. Na ocasião, foram apreendidas motosserras e retidas, pela Polícia Federal, as chaves dos tratores usados na extração dos paricás e dois assentados foram conduzidos à Políca Federal (DPF) para prestar depoimento, mas depois liberados.

Em depoimento, o assentado Ernandes Guimarães alegou que procurou o Incra em Belém para obter a permissão de venda da madeira em seu lote. No Departamento de Polícia Federal ele apresentou uma nota fiscal no valor de R$ 531 como pagamento de 20 m3 de paricá em toras.

O preço, correspondente a R$ 26,6 por metro cúbico é bem abaixo do valor pago pelo mercado, que pode chegar até a R$ 180,00. Vistoria preliminar feita pelos técnicos do Incra indica que cerca de 200 m3 de paricá já foram extraídos em uma área de 1 hectare. O valor da madeira nos dois lotes em que foi flagrada a extração ilegal chega a R$ 100 mil.

Exploração sem licença

A ação foi planejada a partir de denúncias feitas ao Incra, que comprovou a extração ilegal do paricá e solicitou a intervenção da Políca Federal e do Ibama para coibir o crime ambiental no assentamento, criado em novembro de 2009 para atender 370 famílias de agricultores.

As máquinas e equipamentos apreendidos - em valor estimado pelo Ibama de R$ 702 mil - são de propriedade do Grupo Rosa, empresa madeireira sediada em Paragominas, que, segundo a denúncia, estaria extraindo e comercializando a madeira dos lotes desde o dia 12 de dezembro. As máquinas ficaram sob custódia da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Santa Izabel (PA).

O Ibama autuou o Grupo Rosa por exploração sem licença do órgão ambiental competente. A multa será calculada com base na metragem de árvores extraídas, comprovada através de notas fiscais que a madeireira terá que apresentar.

Já o Incra vai aguardar os resultados do inquérito da Polícia Federal que será instaurado para dar início ao processo de cancelamento dos Contratos de Concessão de Uso dos assentados envolvidos no ilícito e retomar os lotes para destiná-los à outras famílias de agricultores.

Empresa alega legalidade

Advogados do Grupo Rosa, que se dirigiram ao local quando a operação policial ainda estava em curso, alegaram que a presença da empresa no assentamento de reforma agrária se baseia em legislação estadual. Eles apresentaram ao delegado federal responsável pela operação policial documentos emitidos pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema-PA) que, afirmaram, garante a base legal para a extração da madeira no assentamento federal.

Os documentos foram emitidos em nome dos assentados envolvidos na venda da madeira para o Grupo Rosa. Dentre os documentos, requerimentos de Declaração de Corte e Colheita (DCC) e Cadastro Ambiental Rural (CAR), que é um registro cartográfico e literal dos imóveis rurais junto a Sema, por meio eletrônico, para fins de controle e monitoramento.

No rodapé do formulário do CAR, que pode ser obtido via internet, há um alerta que chama a atenção para o fato do documento não autorizar qualquer atividade econômica no imóvel rural, exploração vegetal, supressão de vegetação, nem se constitui em prova da posse ou propriedade para fins de regularização fundiária. Ambos os documentos são declaratórios.

Qustionado sobre quem teria autorizado a extração da madeira, os advogados argumentaram que a liberação estaria no Contrato de Concessão de Uso (CCU) firmado entre o Incra e as famílias assentadas. Segundo os defensores do Grupo Rosa, os termos do contrato transferem a propriedade da terra, de domínio federal, para os assentados, dando a estes poder para negociar a floresta plantada.

Floresta pública

A Superintendência Regional do Incra em Belém esclareceu que os lotes do PA Abril Vermelho ainda não foram titulados de forma definitiva e permanecem em nome do órgão. No contrato assinado pelas assentados está expressamente dito que o imóvel se destina à exploração agropecuária e outras modalidades de exploração aprovadas pelo Incra.

Conforme as normas legais, toda atividade extrativa de alto impacto nos lotes só pode ser feita após a conclusão do Plano de Desenvolvimento do Assentamento (PDA), atualmente em fase de elaboração através de uma parceria entre o Incra e a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), com participação das famílias beneficiárias. É o PDA que serve de base para a obtenção, junto à Sema, da Licença de Instalação e Operação (LIO) do assentamento e que vai norteiar o manejo florestal comunitário.

No caso do Abril Vermelho, os paricás, por comporem uma floresta pública em bem sob domínio da União, serão comercializados através de concorrência pública, conforme determinação legal.


Enviado por e-mail pela Ascom/Incra

Boas Festas

Posse do Senador Jader Barbalho

Confirmei há poucos momentos, que a posse de Jader Barbalho como Senador será no dia 28, perante a mesa do Senado na secretária geral e não haverá convites oficiais. Será um ato administrativo. No dia 29, o Senador Jader Barbalho retorna à Belém.

PT racha para assinar CPI

Pouco menos da metade das 185 assinaturas confirmadas no pedido de abertura da CPI da Privataria na Câmara é de deputados do PT, a maior bancada da Casa. Ao todo, 67 petistas assinaram o documento, entre eles lideranças como André Vargas, Dr. Rosinha, Henrique Fontana, Vicentinho e Ricardo Berzoini.

Existem, no entanto, dois sinais de que, para sair do papel, a comissão não contará com tanta boa vontade dos caciques do partido.

O primeiro foi o certo constrangimento do presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), ao receber do deputado Protógenes Queiróz (PCdoB-SP) o documento com as assinaturas.

Enquanto o ex-delegado dizia em seu Twitter que contava com o apoio do presidente da Câmara, Maia saiu de fininho, dizendo que ainda precisava observar as exigências regimentais para a criação da CPI. E que tudo só seria feito no início de 2012, quando as tramóias do governo tucano deveriam entrar na fila para serem investigadas pelos deputados, que já encaminharam comissões sobre o tráfico de pessoas e trabalho escravo.

A frieza pode ser entendida como traje institucional que cabe, de fato, ao presidente da Casa, que não pôde assinar o documento pedindo a investigação.

Mais simbólica foi a ausência, por exemplo, de nomes como o do líder do governo na Câmara, deputado Paulo Teixeira, na lista de requerentes. Este sim, que fala em nome do partido. Assim como Cândido Vaccarezza, líder do governo na Casa, que também não assinou.

Eles foram dois dos 18 petistas que não aparecem no requerimento que contou com o apoio até mesmo de quatro deputados tucanos e cinco do DEM.

Soma-se esta ausência ao silêncio do Executivo em torno do livro de Amaury Ribeiro Jr. nos últimos dias. E entende-se que Protógenes e os demais entusiastas da CPI – entre os quais a bancada inteira do seu partido, o PCdoB – terão trabalho para apurar as suspeitas que pairam sobre o ex-governador José Serra e o governo Fernando Henrique Cardoso.

A batalha mal começou.

Carta para Gestão de Riscos e Desastres Naturais marca encerramento de Simtegramazônia

A elaboração da Carta Integração Amazônica para Gestão de Riscos e Desastres Naturais marcou o último dia do I Simtegramazônia, evento promovido pela Fundação Instituto para o Desenvolvimento da Amazônia (Fidesa) desde segunda-feira, no Centro de Eventos Benedito Nunes, da UFPA, para debater a gestão de riscos e os desastres naturais na Região Amazônica.

A Carta reúne as proposições dos especialistas que participaram do Simpósio. Divididos em grupos, eles discutiram a pesquisa e a capacitação em Defesa Civil e prevenção de desastres, a prevenção e preparação a eventos extremos e o sistema de monitoramento de previsão de eventos extremos. “A intenção da Fidesa ao propor essas discussões foi a de contribuir para a prevenção da ocorrência desses desastres e mitigar os problemas gerados com esses eventos em nossa região”, relata Mara Dourado, gerente geral da Fidesa.

Entre as propostas elencadas no documento está a criação do Centro Integrado de Estudos de Desastres da Amazônia (CIEDAM) como um centro de convergência, integrador e fortalecedor dos vários grupos de pesquisa da região. Outra proposição de destaque diz respeito à criação de Sistema de Alerta por Telefonia Móvel, resultado do trabalho desenvolvido na Faculdade de Engenharia da Computação e de Telecomunicações da UFPA.

O sistema de transmissão permitiria o envio de mensagens de alertas via rede de telefonia móvel celular. A arquitetura do sistema, bem como algumas funcionalidades, foi apresentada ao público presente no Simtegramazônia, que pode ver, ainda, a demonstração de um sistema protótipo de monitoramento de temperatura e emissão de mensagens de alerta via SMS.

“Vamos publicizar esta Carta, enviar aos Governo Federal, Estadual e municipais, pois aqui estão condensadas as principais propostas na área e há necessidade de investimentos para se alcançar o que está proposto no documento”, ressalta a gerente geral da Fidesa. À tarde, os especialistas visitaram o Portal da Amazônia, obra da Prefeitura Municipal de Belém, localizada no bairro da Arsenal.

Com base em cenários midiaticamente construídos, de uma Amazônia fascinante, os autores da proposta da Comunicação, coordenada por Cilene Victor, Diretora de Redação da Revista Com Ciência Ambiental, entenderam a necessidade de uma abordagem regional para as questões relacionadas à gestão de riscos e desastres, tendo a comunicação e a percepção de riscos como temáticas centrais.

Entre as propostas do grupo temático de comunicação, estão cursos de capacitação, cadernos especiais, campanhas e manuais. Para Cilene, a implantação e o fortalecimento das assessorias de comunicação nas defesas civis e nas instituições de pesquisa são condição primária para o fortalecimento dessas fontes de informação oficial e especializada, respectivamente. O I Simtegramazônia contou com o patrocínio da Sudam e da UFPA.,

Assessoria de Imprensa / SIMTEGRAMAZÔNIA
Claudia Aguilla 
Michelli Almeida 
Blogger Template Mais Template - Author: Papo De Garota